A capital libanesa Beirute, que foi declarada “cidade sinistra” pelo Conselho Superior de Defesa, após os estragos causados pelas duas grandes explosões ocorridas na região portuária na terça-feira (4), amanheceu em choque e enlutada nesta quarta-feira (5).

Centenas de pessoas morreram, mais de 4 mil ficaram feridas e bairros inteiros da cidade ficaram devastados na tragédia, aponta um novo relatório divulgado nesta quarta pela Cruz Vermelha Libanesa.

> Explosão no Líbano causa ferimentos leves em funcionários da embaixada do Brasil

> Explosões em Beirute foram causadas por 2.750 toneladas de nitrato de amônia

“Até agora, mais de 4.000 pessoas ficaram feridas, e mais de 100 perderam a vida. Nossas equipes ainda estão realizando operações de busca e salvamento nas áreas circundantes”, afirmou o comunicado da Cruz Vermelha.

arte

Declarada “cidade sinistrada” pelo Conselho Superior de Defesa, a capital libanesa acordou em choque e enlutada.

De acordo com o governo, de 250 mil a 300 mil pessoas estão desabrigadas. Até o momento, os danos estão estimados em mais de US$ 3 bilhões e atingem quase metade da cidade de Beirute.

Clique para ampliar as imagens:

“Dei uma volta por Beirute. Os danos podem chegar a entre US$ 3 bilhões e US$ 5 bilhões”, disse à AFP o governador Marwan Abbud, acrescentando que está à espera da avaliação de especialistas e engenheiros. Quase metade de Beirute está destruída, ou danificada”, afirmou o governo.

A potência das explosões foi tão intensa que os sensores do Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês) as registraram como um terremoto de 3,3 pontos na escala Richter.

A onda de choque dessas deflagrações foi sentida até na ilha do Chipre, a mais de 200 quilômetros de distância,

No epicentro da tragédia, o panorama é apocalíptico: lixeiras parecem latas de conserva retorcidas, e carros estão incinerados pelas ruas.

Com a ajuda de policiais, os socorristas passaram a noite em busca de sobreviventes e mortos sob os escombros.

Compartilhe esta publicação