O ex-vereador de Fortaleza Leonel de Alencar Júnior, conhecido como Leonelzinho Alencar, foi condenado, na sexta-feira (16), a 11 anos e três meses de prisão, pelos crimes de peculato, associação criminosa e lavagem de dinheiro. O juiz titular da 18ª Vara Criminal de Fortaleza, Ireylande Prudente Saraiva, concluiu que é procedente a denúncia feita pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) em 2015, de que, quando era vereador, Leonelzinho manteve, em seu gabinete, esquema de desvio de verbas parlamentares.

As ilicitudes, segundo a denúncia, se davam tanto pela contratação de assessores-fantasmas como pelo expediente conhecido como “rachadinha”, em que o vereador embolsava parte da remuneração de assessores, que ficavam com quantia “irrisória”, de acordo com a decisão. Apesar da determinação de cumprimento em regime fechado, já que o somatório das três penas supera oito anos, Leonelzinho poderá recorrer em liberdade, já que o juiz entendeu que não há requisitos para prisão preventiva.

Segundo a denúncia oferecida pela Procuradoria de Justiça dos Crimes contra a Administração Pública (Procap), Leonelzinho desviava, só de salários, R$ 20 mil por mês. Os recursos seriam utilizados por ele para adquirir bens como carros e imóveis, pagar contas pessoais e mesadas a familiares, manter caixa 2 de campanha e financiar as atividades do Instituto Jáder Alencar, ligado à família do ex-vereador, que funcionava como uma banca de prestação de serviços políticos, com fins eleitoreiros.

O dinheiro desviado, de acordo com o juiz, era lavado em empresas de comparsas. Em junho de 2015, após virem à tona as denúncias da Procap, Leonelzinho foi à tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza para renunciar ao segundo mandato como vereador, a fim de evitar a inelegibilidade.

Com informações do Diário do Nordeste.

Compartilhe esta publicação