A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos da Segurança Pública e do Sistema Penitenciário (CGD) iniciou a fase de depoimentos na sindicância que investiga a operação policial desastrosa que terminou na morte de seis reféns durante um cerco a uma quadrilha de assaltantes de bancos na cidade de Milagres (a 494Km de Fortaleza). O atual chefe da Coordenadoria de Inteligência (Coin) da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), foi ouvido em sigilo. A Coin teria sido a responsável pelo planejamento da ação policial.

O depoimento foi tomado a portas fechadas. O chefe da Coin, delegado de Polícia Civil, Francisco Edinaldo do Vale Cavalcante, falou sobre o planejamento da operação, mas teria negado ter participado dessa atividade. Informações extra-oficiais dão conta de que partiu da Coin a informação da presença da quadrilha de assaltantes interestaduais no Ceará, após um compartilhamento de informes através da Polícia Civil de Alagoas.

Agentes da Coin então partiram de Fortaleza para o Cariri com o propósito de investigar a presença dos criminosos interestaduais naquela região do território cearense. Acabaram descobrindo que o bando – formado por assaltantes de bancos e carros-fortes do Ceará, Pernambuco, Bahia, Alagoas e Sergipe – teriam escolhido a cidade de Milagres (CE) como “alvo” para o ataque simultâneo às agências do Banco do Brasil e Bradesco, na madrugada do último dia 7.

Por: Fernando Ribeiro.

Compartilhe esta publicação