Fim dos atentados? Ou o crime organizado prepara algo pior contra o Estado?

Acabaram os ataques criminosos no Ceará? Ou o crime organizado decidiu apenas dar uma trégua ao Estado? Estas são as dúvidas da população cearense e da própria gestão da Segurança Pública diante da interrupção repentina da onda de vandalismo que se instalou na Capital, em sua região metropolitana e em mais 50 cidades do interior desde o último dia 2 de janeiro. Fontes da Inteligência revelam que bandidos podem estar preparando algo bem “maior” e mais “grave” em retaliação às recentes medidas tomadas pela nova administração carcerária estadual.

Com o fim dos chamados “privilégios” dentro das cadeias públicas, penitenciárias e outras unidades do Sistema Penitenciário, os detentos – liderados por chefes de quadrilhas e de facções – teriam decidido enfrentar o poderio do estado, queimando ônibus, destruindo patrimônios público e particular, disparando tiros em delegacias, metralhando fachadas de bancos e até explodindo pontes e viadutos, numa autêntica “guerra” entre governo e crime organizado. Com a chegada de reforços externos para auxiliar as forças policiais locais no combate aos atentados, os ataques não diminuíram, pelo contrário, só aumentam, levando o governo local a pedir mais socorro ao ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro.

Nunca o Ceará recebeu tanto auxílio externo para o combate ao crime. Disso o governador Camilo Santana (PT) não pode reclamar de seu opositor político, o presidente Jair Bolsonaro. De Brasília partiu a ordem para o deslocamento da tropa da Força Nacional de Segurança (FNS), que aqui permanece com cerca de 400 homens. Também vieram reforços da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Força de Intervenção Penitenciária (FIP). A este imenso contingente policial foi dada a missão de enfrentar o crime e acabar com os ataques nas ruas. A missão foi cumprida? Ou o crime decidiu estrategicamente recuar para, depois, avançar mais ainda? Quem viver, verá.

E TEM MAIS:

  • Com o reforço de efetivo da Polícia Rodoviária Federal no Ceará, aumentou o volume de apreensões de drogas nas estradas federais que cortam o estado, as BRs. Nesta quinta-feira (31), uma importante apreensão foi realizada. Em um carro abordado na BR-020, próximo à entrada da cidade de Canindé, os agentes encontraram, nada menos, que 130 quilos de cocaína. Droga veio de Ji-Paraná (RO).
  •  Nada menos, que 148 adolescentes foram apreendidos pelas autoridades policiais desde o início da temporada de atentados no Ceará. Isso representa em torno de 30 por cento do total de prisões de vândalos realizadas pelas autoridades. Prova o envolvimento da juventude com o tráfico de drogas e com as facções que dominam diversos bairros da Capital e da RMF.
  •  Nunca houve tantas chamadas de emergência para o Corpo de Bombeiros Militar (CBM) e para o Esquadrão Antibombas do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate). Nesta temporada de ataques criminosos, os profissionais destas duas unidades passaram a atuar com muita intensidade para debelar incêndios criminosos e localizar artefatos explosivos.
  • A Secretaria da Administração Penitenciária já “esvaziou” mais de 40 cadeias públicas do interior cearense. Esses prédios agora estão definitivamente desativados. É pretensão do governo inaugurar, ainda neste ano, presídios regionais, que vão absorver a massa carcerária transferida para o Complexo Penitenciário de Itaitinga.
  •  Moradores da Rua Joaquim Moreira, em Parangaba, estão assustados. A via fica a poucos metros da lagoa do bairro e, nas últimas semanas, jacarés são vistos ali. Os animais saem da lagoa para buscar comida na rua. Até agora, não houve ataques a humanas. Mas é melhor não confiar, né???
  •  A chuva que caiu na manhã desta sexta-feira (1) em Fortaleza, causou prejuízos para comerciantes no Centro de Fortaleza. Os bueiros estão entupidos e a água acabou se acumulando nas ruas e calçadas nas imediações da Praça dos Leões. Lojas e estacionamentos foram atingidos.
  • Prefeito Roberto Cláudio (PDT) manteve reunião com o secretário estadual da Segurança Pública e da Defesa Social, André Costa. No encontro, ficou definido que haverá reforço (escolta) para que os serviços essenciais não sofram mais prejuízos diante da onda de atentados: coleta de lixo, iluminação pública e transportes coletivos terão reforço policial para não deixarem a população na mão. Bingo!
  •  Delegacias da Polícia Civil em Fortaleza e na Região Metropolitana estão abarrotadas de presos. O acúmulo de detentos transferidos das cadeias do interior para a Capital tem deixado o Sistema Penal com pouquíssimas vagas para receber os presos oriundos das DPs. Risco alto!

Por: Fernando Ribeiro.

Compartilhe esta publicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!