Depois de ter um filho assassinado, um sargento da Polícia Militar (identidade preservada) foi expulso de casa por traficantes de drogas membros de uma facção criminosa que atua em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza. Depois de receber ameaças de morte e um ultimato dos bandidos, o militar teve que abandonar o imóvel na noite de quinta-feira (27). O Comando-Geral da PM e o secretário da Segurança Pública, André Costa, mandaram uma escolta do Comando de Polícia de Choque (CPChoque) para acompanhar a mudança do sargento.

O militar recebeu as ameaças na última quarta-feira (26) e na quinta (27), teve que providenciar outro lugar para morar. O fato aconteceu no Conjunto Metropolitano, conhecido como Picuí. Ali, traficantes ligados a uma facção já expulsaram vários moradores e mataram aqueles que resistiram à ordem de sair de seus imóveis.

A Polícia já identificou a origem das ameaças ao PM. Teriam partido de um traficante conhecido por Leonardo, que teria, recentemente, ordenado a morte de um filho do militar. Após ter o filho assassinado, o sargento passou a ser também ameaçado.

Em um áudio postado nas redes sociais, outro militar confirma o fato e diz que foi providenciada a escolta para o colega de farda. “O Leonardo deu 24 horas para o sargento sair de casa, já providenciamos a escolta para ele (o militar) fazer a mudança. O filho dele já foi morto, e, se ele não sair, vai ser morto também”, contou.

Ainda na noite passada, várias equipes das “Forças Especiais” da PM fizeram uma varredura na área, com o apoio de um helicóptero da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer). Viaturas do Comando de Polícia de Choque, Comando Raio e do Policiamento Ostensivo Geral (POG) circularam pelo bairro, mas nenhum suspeito foi detido.

De acordo com denúncias, esta não é a primeira vez que policiais militares são expulsos de suas casas em Caucaia.

Siga-nos e fique bem informado

👍 Siga nos #Instagram
https://www.instagram.com/quixeramobim_alerta/

👍 Curta nossa página no Facebook.
https://www.facebook.com/Quixeramobimalerta/

Por Fernando Ribeiro.

Compartilhe esta publicação