Governador do Ceará defendeu CPI apenas para investigar o presidente Bolsonaro e criticou a iniciativa de ampliar à Estados e Municípios.

CPI da Covid | O governador Camilo Santana (PT) defendeu a criação da (CPI) no Senado Federal para investigar apenas o presidente Jair Bolsonaro e sua condução no combate à pandemia no Governo do Brasil, mas logo reagiu e criticou a tentativa de serem incluídos Governadores e Prefeitos. “Será que querem realmente fazer uma investigação que tenha resultados efetivos ou querem confundir a população?”, pontuou o governador, citando o grande volume de gestões a serem inseridas.

Logo após a fala do governador cearense, o presidente do Senado Rodrigo Pacheco, decidiu incluir Estados e Municípios, em uma só CPI.

Entre 11 senadores que farão parte da CPI , 5 são oposição à Bolsonaro, entre eles Randolfi Rodrigues, Humberto Costa e ainda o senador Tasso Jereissati, aliado de Camilo, Ciro e Cid Gomes no Ceará. Ao defender a instalação da CPI da Covid, o parlamentar disse em março: “É preciso parar esse cara”, em referência a Bolsonaro.

Créditos: Revista Ceará.

Compartilhe esta publicação